Martin Luther King

Neste amanhecer de sábado, abri o face e lá estava uma reflexão de uma pessoa que reconheço como importante, não pelo cargo que possui ou pelas riquezas materiais que possa ostentar, mas pelo histórico de vida, pela integridade moral e ética e pela busca constante do aperfeiçoamento intelectual.
Penso que nascemos como páginas em branco de um caderno, variando tão somente, na espessura de cada folha que nos produziu, que ficam permanentemente como pano de fundo ou como expressão marcante, capaz de suplantar ou sufocar a qualidade da caligrafia ou das palavras ali deitadas, caso não venhamos a perceber que está em nossas mãos, mantê-las apenas, como berço seguro da nossa história, que escrevemos a cada instante.
Tal como ele, faço pausas e reflito. Coloco pontos, virgulas e reticências, mas logo adiante, sigo escrevendo, pois, compreendo que não me cabe parar.

Regina Carvalho, carioca, professora,
publicitária, filósofa social e colunista,
membro da Academia de Letras do Recôncavo,
natural do Rio de Janeiro, 46 anos da vida dedicados
a escrever em jornais de Minas, Brasília e Bahia.
Locutora e diretora da Rádio Tupinambá, FM – Itaparica
e editora do Jornal Variedades – Itaparica – BA.

Acesse: www.natuexistencial.blogspot.com