Agentes de Saúde fazem protesto em Salvador para cobrar aplicação do piso salarial

Agentes alegam que o prefeito Bruno Reis não cumpre a EC 120/22

O Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde da Bahia (Sindacs) realizou uma passeata, em forma de protesto, durante a manhã desta quarta-feira (27), buscando reivindicações estabelecidas pela Emenda Constitucional 120/2022, na qual fica determinado o pagamento, como base, de dois salários mínimo, que hoje corresponde ao valor de R$ 2.424,00, mais gratificações e direitos garantidos em Lei.

O objetivo é pressionar os vereadores de Salvador para derrubar o veto do prefeito Bruno Reis que, segundo o próprio Sindicato, tem tratado os agentes com descaso. Em entrevista ao PNotícias, o coordenador do Sindacs-Bahia, Reinã Ramos, afirmou que a maior luta é para derrubar o veto do prefeito de Salvador:

“Houve uma votação, na Câmara, referente às nossas gratificações. Nessa votação, nós tivemos unanimidade, todos os vereadores aprovaram o nosso projeto, mas indo pra mão do prefeito, ele vetou [o projeto], e hoje, nossa maior luta é para derrubar esse veto.”, revelou

A categoria considera um direito adquirido e diz não abrir mão. O prefeito Bruno Reis vetou o projeto do Sindicato e as entidades representativas solicitaram às vereadoras e vereadores de Salvador que derrubem o veto e mostrem independência diante do Executivo.

“Sempre importante lembrar que o trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e dos Agentes de Combate às Endemias (ACE) é elemento essencial para o conceito de saúde pública, estruturado na atenção básica. Esses agentes operam importante elo dos sistemas de saúde com a comunidade, a fim de que, em conjunto, sejam desenvolvidas e articuladas ações voltadas para a redução dos riscos sanitários, a melhoria da qualidade de vida e ampliação da autonomia dos usuários e coletividades”, afirma Reinã.

Post Author: Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.