Time mais vencedor da história do Atlético-MG volta a demonstrar nervos de aço

Um duelo que engrandeceu uma competição mal formulada na parte logística, que teve o time campeão brasileiro e da Copa do Brasil com todos os status possível de visitante do confronto. O Galo venceu um eletrizante duelo também nos pênaltis, e o goleiro foi novamente salvador. O que parecia não acabar nunca teve fim com defesa de Everson na cobrança de Vitinho, depois de Hulk (sempre ele) converter sua segunda penalidade.

O Galo conseguiu vencer todos os títulos nacionais promovidos pela CBF em um espaço de 80 dias. Everson, Mariano, Nathan Silva, Junior Alonso (Godín), Guilherme Arana; Allan, Jair, Nacho, Zaracho (Savarino), Keno e Hulk (Vargas) se consolidam como o time mais vencedor da história do clube

Goleiro Everson comemora vitória nos pênaltis contra o Flamengo — Foto: Pedro Souza/Atlético-MG

Goleiro Everson comemora vitória nos pênaltis contra o Flamengo — Foto: Pedro Souza/Atlético-MG

No tempo normal, Atlético e Flamengo fizeram um jogo marcante para os 32 mil torcedores na Arena Pantanal. O Galo não conseguiu ficar com a bola no primeiro tempo, e pouco assustou. O Flamengo chegava com perigo em seu poderoso esquema ofensivo. Muita qualidade técnica individual deu o tom da partida. Técnicos em inícios de trabalho, temporada ainda engatilhando, tempo abafado, mas um espetáculo garantido.

A disputa por pênaltis foi a saída mais justa para um Flamengo que brilhou quando Arrascaeta cresceu e conseguiu abrir espaço em uma sólida defesa do Galo – que teve Godín em dia infeliz, é verdade, com chute na lua nos pênaltis e falha no gol de Bruno Henrique.

Sem Zaracho, o Atlético perdeu intensidade e roubadas de bola no ataque. Jefferson Savarino e Keno não tinham tanto impacto nas pontas. Nacho fez o gol que abriu o placar, mas também não teve tanta conectividade com Hulk.

Guga errou a cobrança que poderia ser fatal, mas até mesmo ele foi sinônimo de frieza e coragem de uma equipe que tem casca grossa para jogos decisivos, com confiança de campeões. O mesmo vale para Nathan Silva, que converteu sua cobrança com perfeição, após um primeiro tempo inseguro (mas melhora significativa no segundo tempo)

Hulk, inclusive, ficou ilhado algumas vezes, e precisou recuar para tentar encostar na bola e iniciar uma jogada. Sofria faltas, outras nem tanto, e suas jogadas não davam sequência. Mas, se Gabigol furou a rede de Everson em boa trama do Flamengo pelo alto, Hulk fez o mesmo.

E uma boa sacada de Turco Mohamed. Tirou os pontas que não vinham rendendo, acrescentou Ademir e Vargas e, de uma trama entre os dois, saiu o gol da igualdade de Hulk, que levaria a final aos pênaltis.

Um ponto de alerta fica para Diego Godín, ainda fora das condições físicas ideais, fez apenas duas partidas antes da Supercopa, e teve uma apresentação ruim contra o Flamengo. Erro de leitura e posicionamento no gol de Bruno Henrique. De quebra, foi o último cobrador do Galo na sequência original, e isolou a bola em uma finalização desastrosa.

O Atlético provou ser o melhor time do Brasil, disputando cabeça com cabeça ao lado do Flamengo. O primeiro troféu foi para Lourdes, mas haverá um 2022 inteiro pela frente para dois times estelares desfilarem um poderoso futebol, com erros e acertos, mas com qualidade capaz de lembrar os duelos históricos das décadas de 1980.

Post Author: Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.