Funcionário do Atakarejo tem prisão decretada e é considerado foragido

Um funcionário do supermercado Atakarejo, suspeito de envolvimento nos assassinatos de Bruno Barros e Yan Barros, tio e sobrinho, mortos após furtarem carne em Salvador, teve a prisão decretada e é considerado foragido. A informação foi divulgada na noite desta quarta-feira (12), pelo BATV, programa da TV Bahia, após a produção ter acesso a informações do inquérito policial.

A informação ainda aponta que o funcionário considerado foragido, informou que se apresentaria na delegacia na segunda-feira (10), dia da operação onde a polícia prendeu seguranças e fez buscas. O advogado dele esteve na delegacia, mas ele desistiu de se apresentar.

Além disso, o gerente geral da loja, que fica no bairro Nordeste de Amaralina, está entre as oito pessoas que já foram presas suspeitas de envolvimento no crime.

Segundo a família das vítimas, Bruno e Yan teriam sido flagrados furtando carne no estabelecimento e seguranças do mercado entregaram os dois a traficantes do complexo do Nordeste de Amaralina. Em coletiva, realizada na segunda-feira, a polícia disse que os seguranças pediram R$ 700 para liberar as vítimas.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Tio e sobrinho foram mortos após terem furtado carne em supermercado — Foto: Arquivo pessoal

Tio e sobrinho foram mortos após terem furtado carne em supermercado — Foto: Arquivo pessoal

Na tarde desta quarta, a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) já tinha confirmado que mais um suspeito de tráfico foi preso na terça-feira (11), por envolvimento nos assassinatos da dupla.

Com a prisão de terça-feira, sobe para oito o número de pessoas detidas por suspeita de participação no crime: três seguranças do mercado e cinco homens apontados pela polícia como traficantes.

Ainda nesta quarta-feira, quatro das sete testemunhas do caso esperadas pela polícia no Departamento de Homicídio e Proteção Pessoa (DHPP), no bairro da Pituba, compareceram ao local. Parte delas são funcionários de uma empresa terceirizada de segurança e outros são funcionários de segurança do supermercado.

Outras duas pessoas devem prestar depoimento na quinta-feira (13).

Três celulares, requisitados pela polícia, foram entregues pelo advogado do supermercado, no DHPP. Os aparelhos eram usados pelo encarregado de prevenção de perdas, gerente de operações e pelo gerente geral.

Em nota, o Atakarejo informou que instalou um processo de sindicância que já resultou no afastamento dos funcionários suspeitos de envolvimento com o fato em questão, até que as investigações sejam concluídas.

fonte: G1

Post Author: Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *