Bahia piora média de gols e começa Série A com ataque em baixa

O Bahia passou da fase de grupos da Copa do Nordeste como o dono de um dos melhores ataques da competição. Porém, desde que Gilberto se machucou, na goleada por 4 a 0 sobre o Náutico, o time passou a sofrer no campo ofensivo. Em cinco partidas sem o centroavante, a equipe marcou seis gols, média pouco superior a um gol por jogo. Antes, entre Copa do Brasil, Sul-Americana e a primeira fase do regional, torneios que Roger Machado escalou força máxima, a média tricolor era de quase dois gols por confronto.

Bahia até a lesão de Gilberto: 11 jogos e 19 gols
Bahia após a lesão de Gilberto: 5 jogos e 6 gols

Gilberto sofreu um estiramento no ligamento medial colateral do joelho esquerdo. O departamento médico do clube não divulgou prazo de recuperação e informou apenas que o tratamento seria por método conservador, sem a necessidade de intervenção cirúrgica. Sem o atacante, artilheiro do time na temporada com sete gols, Roger Machado escalou Fernandão como titular. A formação da equipe se manteve inalterada, mas as características do ataque foram modificadas.

Com Gilberto, o ataque do Bahia tem maior mobilidade e consegue pressionar melhor a saída de bola adversária. O contra-ataque também é mais eficiente com a presença do atacante. Já Fernandão eleva o poder da bola aérea do time, o que não tem sido explorado com sucesso nos últimos jogos.

Desde a lesão de Gilberto, o Bahia mostrou grande dificuldade para criar oportunidades de gol contra equipes com defesas bem postadas. O Confiança dificultou bastante a classificação tricolor na semifinal da Copa do Nordeste e expôs o problema, que foi aproveitado também pelo Ceará, na decisão do regional. O Atlético de Alagoinhas, no último sábado, na final do Campeonato Baiano, foi mais um a mostrar a baixa eficiência ofensiva da equipe comandada por Roger Machado.

Contra o Carcará, Roger sacou Fernandão no intervalo e colocou Saldanha na equipe. O jovem centroavante tem características mais próximas de Gilberto, mas o jovem centroavante ainda não mostrou o mesmo faro de gol. Em 14 jogos realizados na temporada, ele balançou as redes apenas uma vez.

Além da lesão do principal atacante do elenco, algumas peças caíram de rendimento e, por consequência, contribuíram para que o time encontrasse dificuldades para chegar ao gol adversário. Antes armas decisivas no setor ofensivo, os laterais Juninho Capixaba e João Pedro passaram a errar com frequência. O lateral-esquerdo segue com a titularidade, enquanto o lateral-direito perdeu a vaga para Nino Paraíba na final do estadual.

Pressionado, com problemas de difícil resolução para fazer o Bahia voltar a ser efetivo no ataque e sem uma definição de quando Gilberto estará novamente à disposição, Roger Machado prepara o Bahia para a partida desta quarta-feira, contra o Coritiba, pela estreia na Série A do Campeonato Brasileiro. O jogo está programado para às 20h30 (de Brasília), no estádio de Pituaçu, em Salvador.

Fonte: GE

Post Author: Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *