Hospitais investem em tecnologia para aperfeiçoar tratamentos na Bahia e impulsionam economia

O investimento em tecnologia para a saúde na Bahia proporcionou resultados positivos para o setor e impulsionou a economia do estado, nos últimos anos, segundo análise de especialistas.

Economistas estimam que, junto com a educação, o setor de assistência à saúde seja responsável por produzir quase 4% das riquezas baianas.

É uma área cada vez mais movida a tecnologia. Uma das novas técnicas em operação no estado é o uso de um cateter que elimina a cirurgia no tratamento da obstrução da válvula cardíaca.

Além disso, um método inovador de fazer ressonância magnética também chama atenção. Em uma sala é possível operar máquinas à distância, com pacientes em cinco cidades, de três estados diferentes.

A máquina auxilia, por exemplo, nos casos de pessoas com próteses ortopédicas. O programa de computador aumenta a eficiência na realização de uma biópsia, quando é preciso retirar uma amostra.

“Dessa forma, você consegue avaliar bem a relação da prótese com a superfície óssea”, falou a médica radiologista Fernanda Dias.

A praticidade também impulsiona o uso de ferramentas como o QR Code para liberar o resultado do exame, para que o cliente faça quase tudo de casa.

“Essa tecnologia nos ofertou a possibilidade de realizarmos exames em cidades mais distantes, exames mais complexos”, disse Rubia Mercês, diretora regional das Clínicas Delfin.

Para o paciente, a tecnologia também traz mais segurança. Com o uso de robôs e outros equipamentos de última geração, tratamentos são aperfeiçoados e diagnósticos são dados com mais rapidez.

Nas cirurgias mais complexas, os braços do robô são como uma extensão das mãos do cirurgião. Em Salvador, foram cerca de 30 cirurgias nos primeiros meses de trabalho do novo assistente, especialmente na área de urologia.

“Fazer um procedimento que você consegue cansar menos e você consegue terminar o procedimento de forma mais inteira… então, isso para o paciente termina se revertendo em benefício”, disse o cirurgião Marcos Travessa.

Graças às mudanças, o estado terá a primeira cirurgia de endometriose – um avanço para os pacientes e também para os especialistas.

“É um equipamento que traz para a gente mais segurança, maior precisão nos movimentos, maior complexidade nas intervenções e mais resolutividade na solução dos problemas dos pacientes”, falou Rafael Vitta, diretor médico do Hospital São Rafael.

O sucesso no uso do equipamento estimula novos investimentos, especialmente em Salvador e em cidades como Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros da capital, e Vitória da Conquista, no sudoeste do estado.

Em Salvador, os principais hospitais e clínicas privados investiram pelo menos R$ 275 milhões em estrutura e equipamentos nos últimos anos.

Só em uma dessas unidades, foram R$ 200 milhões de gastos na compra de equipamentos e ampliação da estrutura, que vai saltar de 50 para mais de 200 leitos. Isso significa mais médicos e mais enfermeiros. Um total de mais 700 empregos em várias áreas.

“Um mercado bastante promissor porque há uma carência histórica de leitos hospitalares, de uma estrutura hospitalar mais própria… é uma área ótima para se investir”, contou o diretor médico do Hospital Cárdio Pulmunar, Eduardo Darzé.

Tudo isso, segundos os médicos, só faz sentido se, por trás de cada cérebro eletrônico, ainda existir um atento olhar humano.

“Outros cirurgiões, de outras especialidades, começam a fazer treinamento, utilizando a plataforma da cirugia robótica, para apoiar o seu desenvolvimento cirúrgico e os resultados para os pacientes”, conta Ricardo Madureira, diretor técnico do Hospital Santa Isabel

Para acompanhar esse avanço, a mão de obra está se transformando e especialistas fazem treinamentos para operar as máquinas.

fonte: G1

Post Author: Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *