Chuva causa mortes, Rio segue em estágio de crise

Três pessoas morreram e duas estão desaparecidas depois da tempestade da noite da quarta-feira (6) no Grande Rio. A forte chuva acompanhada de ventania causou apagões, derrubou árvores, alagou vias e fechou a Avenida Niemeyer, onde um trecho da ciclovia desabou.

Um ônibus está soterrado, e há a suspeita de que dois passageiros estejam feridos dentro. Houve quedas de barreira em vários pontos – a ciclovia caiu perto de São Conrado, e o ônibus foi atingido quase no extremo oposto.

O prefeito Marcelo Crivella confirmou que a situação mais crítica é na Niemeyer. “Vai demorar mais de um dia inteiro para normalizar”, disse.

Resumo
A tormenta começou por volta das 20h30, quando o Rio entrou em estágio de atenção;
Às 22h15, passou-se para o estágio de crise;
Três mortes: duas em Barra de Guaratiba e uma na Rocinha;
Há suspeita de que duas pessoas estão desaparecidas na Avenida Niemeyer. Na avenida, um novo trecho da ciclovia desabou com deslizamento de terra. A via está interditada;
Às 3h, eram 64 árvores caídas; algumas derrubaram a fiação e causaram apagões;
Registraram-se rajadas de 110 km/h no Forte de Copacabana, o que caracteriza tempestade violenta;
Chove fraco nesta manhã, e há pontos de alagamento na Barra e na Zona Sul.
Crivella decretou luto oficial de três dias pelas mortes.

Previsão para esta quinta
Áreas de instabilidade associadas a um sistema de baixa pressão mantêm as condições de chuva para o Rio nesta quinta (7). Na parte da tarde, aumentam as chances de tempestade.

O solo encharcado aumenta as chances de novos deslizamentos de terra na Costa Verde e na Região Metropolitana, além de novos pontos de alagamentos.

A temperatura máxima prevista é de 28°C na Região Metropolitana. O mar continua agitado, com ondas de pelo menos um metro.

fonte: G1

Post Author: Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *