38 anos depois, Flamengo vence River Plate e é campeão da América

Sábado, 23 de novembro de 2019. Data em que todas as gerações vivas de torcedores do Flamengo podem se olhar com o mesmo sentimento. Os rubro-negros de 40 e poucos anos ou mais novos, que não tinham nascido ainda em 1981 ou que eram pequenos demais na época, cresceram ouvindo as façanhas daquele time mágico de Zico e companhia. Narrativas que soavam mais como ficção do que realidade para quem não “viu com os próprios olhos”. A veracidade de uma história, por mais “baseada em fatos reais” que seja, só ganha contornos lúdicos na vivência. E hoje, eles podem dizer: “Pai, agora eu sei como é”.

Foram décadas na fila, amargando decepções na elite do continente enquanto flertava com o perigo em campeonatos nacionais. Mas o time versão 2019, com um novo futebol que encanta (embora tenha ficado aquém do esperado na final), foi coroado no Estádio Monumental de Lima, no Peru. O Flamengo de Jesus, Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta & Cia. destronou o copeiro River Plate na Libertadores em uma decisão histórica, a primeira em jogo único e campo neutro: 2 a 1, de virada, com um gol de Borré para os argentinos e dois de Gabigol “para inglês ver” (o jogo foi transmitido ao vivo em Londres). Falando em Inglaterra, Liverpool, Mundial… Seria sonhar demais “botar os ingleses na roda” de novo?

Como canta a torcida, o Flamengo terá a chance de conquistar o mundo de novo. O título deu a classificação para o Mundial de Clubes, que esse ano acontece entre os dias 11 e 21 de dezembro em Doha, no Catar. O Rubro-Negro estreia no dia 17, uma terça-feira, contra o campeão da Ásia ou o Espérance, da Tunísia, no Estádio Khalifa.

Título em dose dupla?
No mesmo final de semana em que conquistou a Libertadores, o Flamengo pode confirmar o título do Campeonato Brasileiro mesmo sem entrar em campo. Segundo colocado, o Palmeiras enfrenta o Grêmio às 16h (de Brasília), na Arena Palmeiras, e se não vencer não poderá mais calcançar o Rubro-Negro matematicamente.

O Flamengo começou no ataque, mas sem conseguir assustar. O River marcava bem e, aos poucos, foi mostrando porque se deve temer o atual campeão. Apesar do início armado para contra-ataques, os argentinos foram percebendo os espaços, mudaram a postura e chegaram ao primeiro gol aos 14, após erros de Filipe Luís no domínio e de Arão e Gerson, quando um deixou para o outro na área. A bola sobrou para Borré pegar de primeira e vencer Diego Alves. O Rubro-Negro sentiu o golpe, perdeu o domínio territorial e teve só uma única finalização no primeiro tempo com Bruno Henrique, de fora da área e para fora. Em 45 minutos de poucas chances, os Millonários estiveram mais perto de fazer o segundo do que de sofrer o empate.

Jesus deu bronca no vestiário, e o Flamengo criou sua primeira chance clara logo aos 11 minutos: Bruno Henrique invadiu a área pela linha de fundo e tocou para o meio, Arrascaeta furou, a defesa bloqueou o chute de Gabigol, e Everton Ribeiro parou em Armani. O técnico em seguida perdeu Gerson, que se machucou e deu lugar a Diego, que entrou bem. Os rubro-negros seguiram em cima e tiveram outra oportunidade em um combo de Arrascaeta, Gabigol e Everton Ribeiro aos 30. O River mesmo recuado mostrava que não estava morto com Palacios, que quase fez o segundo. E quando tudo parecia perdido, Gabigol apareceu no jogo para fazer dois gols, um aos 43 e outro aos 46, para virar o jogo e dar o título para o Brasil. O artilheiro ainda foi expulso junto com Palacios, mas nada que estragasse o seu dia de herói.

Assim como Zico em 1981, quando fez os dois gols da vitória por 2 a 0 na final contra o Cobreloa em Montevidéu, no Uruguai, Gabigol foi o herói em 2019 ao construir a virada por 2 a 1 nos minutos finais. O artilheiro rubro-negro, que chegou a 40 gols em 54 jogos pelo Flamengo, definiu o jogo em três minutos, aos 43 e 46 do segundo tempo. Que fase espetacular do camisa 9 rubro-negro, que temrinou como artilheiro da Libertadores com nove bolas na rede.

Gabigol foi o artilheiro da Libertadores e o melhor jogador da partida para a Conmebol. Mas a entidade sul-americana elegeu Bruno Henrique como o craque da América do Sul. O atacante, que fez cinco gols no torneio em 2019, não fez uma partida brilhante na final, mas foi decisivo ao construir a jogada do gol de empate.

Campeão internacional pela primeira vez, Jorge Jesus se torna o segundo europeu a conquistar a Libertadores da América como treinador. O primeiro foi o croata Mirko Jozić, que faturou o título pelo Colo-Colo, do Chile, em 1991. Chegou a vez do português, que comemorou com uma bandeira de seu país.

fonte: GE

Post Author: Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *